Solopreneur: Quem são os Empreendedores a Solo?

Já ouviste falar no termo Solopreneur? Sabes o que é?

Se nunca ouviste ou não sabes o que é o “empreendedor a solo”, não te preocupes. É um termo relativamente recente mas que tem vindo a crescer significativamente ao longo dos anos. Para além de te dar a conhecer o conceito de Solopreneur, vou partilhar contigo porque acredito que esta será uma das principais fontes de trabalho do futuro, se não mesmo a principal.

O que é um Solopreneur?

Solopreneur é um acrónimo, em inglês, formado pela palavra “solo” e pelo sufixo da palavra entrepreneur (empreendedor). É um termo utilizado para definir uma pessoa que abre e desenvolve um negócio sem sócios e/ou funcionários.

via GIPHY

O crescimento do Empreendedorismo a solo em todo o mundo

Este é um termo recente mas que está a crescer a um ritmo acelerado por todo o mundo. O Global Entrepreneurship Monitor (GEM), provavelmente o maior e mais importante relatório sobre empreendedorismo em todo o mundo, começou a incluir este conceito no seu relatório de 2019. A decisão de incluir solopreneurs no relatório é muito significativa, porque tanto a pesquisa académica quanto a formulação de políticas sobre empreendedorismo e ecossistemas empreendedores, têm historicamente focado em empresas criadoras de empregos e startups escaláveis.

E, na verdade, a maior parte dos estudos académicos tem ignorado empresas sem colaboradores como contributo para a economia apesar de, um pouco por todo o mundo, serem fundamentais no ecossistema. Nos Estados Unidos da América, por exemplo, em 2018 estas representavam 81% de todas as Micro e Pequenas empresas e dão emprego a 17% dos Americanos (segundo estudo da Reserva Federal Americana – Fed). No Brasil, segundo a GEM, 53% dos empreendedores brasileiros atuam por conta própria (sem cofundadores, funcionários ou previsão de contratação). Em Portugal, apesar de não existirem dados oficiais, se pensarmos no peso que as microempresas representam no tecido empresarial (aprox. 94%) chegaremos a conclusões similares.

Com o crescimento de redes sociais e criação de profissões (praticamente) inexistentes há 10 ou 20 anos atrás, surgem negócios a solo. Se pensarmos nos Influenciadores Digitais, Criadores de Conteúdo, entre muitos outros que atuam no mercado digital, facilmente percebemos o impacto do Empreendedorismo a Solo no mercado de trabalho.

Desafios do Empreendedorismo a Solo (Solopreneur)

Falar de Empreendedorismo é, inevitavelmente, falar de risco. Quer seja a solo quer seja com colaboradores e/ou sócios, os riscos existem e fazem parte do caminho. O problema principal não está relacionado com o risco porém… O problema principal está inteiramente interligado com a forma como lidamos com esse mesmo risco tanto na nossa vida profissional mas, sobretudo, na vida pessoal.

Apresento-te os 3 principais riscos para os Solopreneurs (Empreendedores a Solo):

1. Incerteza a nível financeiro

Será que vou ter dinheiro no final do mês para pagar as contas?

Pergunta que milhões de empreendedores por todo o mundo fazem a si mesmos

via GIPHY

A preocupação inerente à incerteza financeira é, muito provavelmente, a que mais afeta os solopreneurs (e os empreendedores no geral). Especialmente quem está a começar, tem uma maior instabilidade de receitas fruto do desconhecimento do mercado e início de carreira empreendedora que são, naturalmente, normais. Ter planeamento financeiro e controlar as finanças são duas coisas fundamentais para o sucesso mas é igualmente importante que não te massacres demasiado no problema e procures soluções para aumentar os teus rendimentos.
Procura atingir e diversificar clientes, apostar na comunicação da tua marca ou oferecer conteúdo de forma gratuita para acelerares a confiança no teu trabalho. Existem milhares de opções possíveis que podes utilizar para evitar a incerteza financeira mas o mais importante é conseguires manter a sanidade mental e acreditares que és capaz.

2. Excesso de trabalho (ou o seu contrário)

Muitos empreendedores sofrem com o excesso de trabalho ou a falta dele. Quanto mais trabalho temos, maior é o nosso stress e, consequentemente, menos eficientes seremos a não ser que saibamos planear, definir prioridades e “desligar”. O excesso de trabalho é bom! Se o soubermos gerir… E é bom porque significa que temos muita procura. No entanto, é importante que saibamos gerir o mesmo e definir timings de concretização das tarefas/trabalho para evitarmos problemas graves como o burnout.

Pelo contrário, a falta de trabalho afeta a grande parte dos empreendedores, em particular os solopreneurs por um motivo principal (o 3º motivo que a seguir te apresento). É importante que consigas perceber que nem os clientes, nem muito menos o sucesso, surgem de um dia para o outro. É preciso muito trabalho e dedicação até atingir os resultados que esperas.

3. Solidão Empresarial

A vida profissional da maioria dos solopreneurs é solitária por definição. O silêncio que ecoa nas nossas mentes, fruto de um trabalho sozinho, pode ser ensurdecedor. Para combater essa solidão, é importante ter técnicas e escapes, designadamente criando eventos sociais, fazendo networking, participar em formações e aulas ou encontrar amigos para praticar exercício. Existem tantos empreendedores a solo no mundo que apesar de poderes trabalhar sozinho não estás definitivamente sozinho. Se precisares de conversar ou tirar dúvidas, não hesites. Sabes onde me encontrar ;)!

Principal fonte de trabalho do futuro?

O mundo está a mudar a uma velocidade louca. Novas formas de trabalhar já transformaram as indústrias de entretenimento, media e jornais/revistas, e o mesmo está a acontecer em muitos outros setores – do transporte ao turismo, das finanças à educação.

Bens e serviços estão a tornar-se mais acessíveis rapidamente e mais baratos. O digital e a evolução, vieram revolucionar o trabalho, tornando-o mais disponível do que nunca, de uma maneira completamente diferente ao que já podíamos ter visto no passado. Em vez de um emprego de um empregador, os trabalhadores agora têm vários empregos ao mesmo tempo que se originam em vários lugares e vêm em muitas formas e tamanhos. Inúmeras fontes de renda e a capacidade de aumentar ou diminuir de acordo com o tempo e as necessidades tornaram-se uma característica crescente de nossa economia.

Para atingir todo o potencial dessa mudança emergente, os políticos devem ter uma compreensão mais abrangente e menos monolítica e começar a moldar soluções que reflitam essa nova realidade do trabalho.

Tal como existem hoje profissões que não existiam há 10 ou 20 anos atrás, nos próximos anos vão existir profissões que ainda não existem hoje. Segundo a Forbes, até 2027 mais de 50% da força de trabalho dos Estados Unidos da América vai ser composta por freelancers/soloproneurs.

Por isso, está na hora de nos prepararmos para esta nova realidade. Concordas?

Aconselho leitura dos seguintes artigos sobre este tema:

Mentoria Gratuita durante 12 meses

A mentoria para negócios é, cada vez mais, uma ferramenta importante para o sucesso dos empreendedores. Através da mentoria, os empreendedores obtêm conhecimento de pessoas com mais experiência ou conhecimento técnico sobre as áreas críticas do empreendedorismo: os mentores.

Qual o papel do Mentor?

A palavra Mentor vem do latim “Mentor” e do grego Méntor, antropónimo (amigo e conselheiro de Ulisses na Odisseia). Segundo a definição do dicionário Priberam da Língua Portuguesa, um mentor é:

  1. Pessoa que, pela sua sabedoria ou experiência, ajuda outra como guia ou conselheiro;
  2. Pessoa que inspira outros.

Na prática, um mentor deve ser um guia que usa da sua vivência para dar os melhores conselhos e direções. 

O que é Mentoria para negócios?

A mentoria para negócios é uma ferramenta muito útil para empreendedores e negócios. Porquê? Porque consiste na partilha de experiência e conhecimento por parte de um mentor.

Na prática, o foco do trabalho do mentor é ajudar os empreendedores a atingirem os seus objetivos. É importante ressaltar que o mentor não irá fazer o trabalho pelos empreendedores mas sim, irá guiar o empreendedor nos caminhos que este deve seguir.  

No fundo, o mentor é um conselheiro que ajuda empreendedores a definir ou ajustar objetivos de desenvolvimento do negócio, identificar recursos, estabelecer novos contatos, entre outros. Com este programa, terás alguém a teu lado que já passou pelas dificuldades que estás a sentir, que já cometeu erros e sentiu o falhanço de perto, podendo ajudar-te a reduzir erros e gastos desnecessários.

Por isso, se…

       ✅  Procuras alguém que te motive? 

       ✅  Tens dúvidas sobre como alavancar o teu negócio?

       ✅  Ambicionas desenvolver competências como gestor?

       ✅  Queres validar as tuas ideias?

Então o Programa de Mentoria 1212 foi feito para ti! 👊

Neste Programa, 12 empreendedores  irão receber:

      ✅  Conhecimento Técnico: conhecimento sobre empreendedorismo, gestão, inovação, liderança, economia e contabilidade, entre muitos outros;

      ✅  Validação do modelo de negócios e ideia: apoio na compreensão do modelo de negócios e conhecimento de mercado de atuação;

      ✅  Experiência e desenvolvimento pessoal: irás aprender com alguém que já passou pelas dificuldades pelas quais estás (e irás) passar, e que irá partilhar contigo a sua experiência para o teu desenvolvimento;

      ✅  Acesso a recursos e ferramentas: os recursos das empresas são limitados, em particular o tempo. Por isso, é fundamental otimizar recursos e utilizar ferramentas que te permitam ser mais eficiente e poupar recursos;

      ✅  Contactos e networking: acesso a uma vasta rede de contactos do mentor que te poderão abrir portas para alavancar o teu negócio.

E tudo isto, 100% Gratuito durante 12 meses  para 12 empreendedores!

Inscreve-te aqui até ao próximo dia 20/01/2021!

Bem-vindo (finalmente) 2021

Bem-vindos a 2021 empreendedores e empreendedoras!

O meu principal desejo para o novo ano é que este seja um ano repleto de sucesso para todos e que todos os vossos objetivos e metas definidos sejam atingidos.

Todos sabemos que 2020 foi um ano desafiante a todos os níveis… Desafios, obstáculos e perdas marcaram este ano mas, como otimista que sou, sei que aprendemos muito com este ano que passou.

É na adversidade que crescemos e, por isso, cabe agora refletir e planear.

Objetivos para 2021

No final de cada ano, dedico tempo a refletir e planear o ano que aí vem e, apesar de 2020 ter sido um ano atípico, não perdi a tradição.

O ano passado defini 31 objetivos e concretizei apenas 12. Poderia culpar as circunstâncias e outros fatores externos a mim mas, na realidade, o único culpado fui eu por não ter tido a disciplina e consistência necessária para os cumprir.

Conheço toda a teoria de definição de objetivos, teoria essa que aplico na minha profissional e junto dos nossos clientes. E a teoria diz-nos para não termos demasiados objetivos pela elevada probabilidade de perdermos o foco. No entanto, fui contra tudo o que acredito, procurando desafiar-me como nunca.

Moral da história: não funcionou.

Por isso, para o ano de 2021 defini 7 objetivos principais que vou, de seguida, partilhar contigo.

1. Ler ou ouvir 30 livros

A leitura é fundamental para quem procura desenvolver-se pessoal e profissionalmente. Quando desenvolvemos o hábito da leitura, independentemente do tipo de leitura que estivermos a falar, desenvolvemos e apuramos o nosso sentido crítico e a nossa forma de ver o mundo.

Em 2021, irei ler ou ouvir, pelo menos, 30 livros, em particular em temáticas que mais procuro como desenvolvimento pessoal, gestão, liderança e finanças.
Tenho alguns já pensados para ler, sendo que comecei o ano com a leitura do livro “O Cisne Negro” do autor Nassim Nicholas Taleb.

2. Alcançar a meta de 2.000 seguidores no Instagram

Já segues o instagram do diariodeumempreendedor.pt?

Se ainda não, podes seguir para me ajudares a atingir o objetivo 😅 !

Ao longo do ano de 2020, fui perdendo disciplina na criação de conteúdo. Defini objetivos que não cumpri a este nível mas não vou voltar a falhar na consistência.
Na verdade, a consistência é a mãe de todos os objetivos e concretizações já que, sem ela, nada conseguimos. E no que diz respeito às redes sociais e criação de conteúdo, esta afirmação não é exceção.

Manter a consistência nas publicações e na qualidade do conteúdo é o caminho para aumentar o número de seguidores. E para este ano, defini os seguintes objetivos:

  • Criar 312 posts
  • Criar 26 “Dicas de um minuto”
  • Criar 26 artigos escritos
  • Lançar a 2ª temporada da série “Escreve a tua História” com 10 episódios

Dá uma vista de olhos na página do Instagram e começa a seguir-me.

3. Alcançar a meta de 1.000 subscritores no Youtube

Há alguns anos que penso em criar um canal do Youtube para abordar temáticas como a Gestão, Empreendedorismo e Liderança mas apenas em 2020 decidi dar esse passo.

Em 2020, avancei com 2 séries no Youtube:

Em 2021, vou partilhar mais conteúdo de valor, ficando prometida a 2ª série do “Escreve a tua História”, retomar podcasts e estou a estruturar mais vídeos e conteúdo para partilhar.

Já segues o canal?

4. Mentoria Gratuita a 12 empreendedores, durante 12 meses

Ao longo dos últimos anos que trabalho em consultoria, tenho vindo a dedicar-me a trabalho de Mentoria quer com empreendedores quer com jovens e adultos que o tencionam ser.

A mentoria desempenha um papel importante no desenvolvimento pessoal e profissional dos mentorandos e é um trabalho de elevada exigência e responsabilidade. Um mentor procura apoiar e ajudar o mentorando no seu desenvolvimento profissional e pessoal, através da partilha bilateral de experiências e conhecimento. Saber ouvir e fazer as questões certas são dois dos principais passos.

Acredito que ninguém nasce empreendedor ou gestor. Apesar de algumas pessoas poderem “nascer” com determinado tipo de qualidades e competências, a verdade é que todos nós podemos trabalhar para lá chegar. E o papel de um mentor é precisamente ajudar neste desenvolvimento…

Por isso irei mentorizar 12 empreendedores de forma 100% GRATUITA durante os próximos 12 meses.

Se queres saber como te podes candidatar à Mentoria gratuita, basta clicar na imagem abaixo:
Mentoria Gratuita 1212

5. Acordar às 6h30 todos os dias e criar uma rotina matinal

Durante aproximadamente 10 anos fui nadador federado. Enquanto nadador federado, tinha treinos duas vezes por dia, de manhã e de tarde, estando habituado a levantar-me cedo. 🏊

Muito provavelmente por ter criado essa rotina, sempre que tinha de estudar na escola ou, agora, quando tenho de trabalhar em algo, preferia/prefiro fazê-lo o mais cedo possível por render mais. No entanto, nunca acordei um ano inteiro às 6h30 da manhã e nunca tive uma rotina matinal fixa que, de forma consistente, tenha aplicado durante um grande período de tempo. E a verdade é que o objetivo da rotina matinal é mais importante do que o “simples” acordar às 6h30 já que o hábito/rotina é o que realmente importa. 💪

Ter rotinas e consistência permite alavancar resultados. E é isso que busco: resultados e excelência.

Em breve partilharei contigo a minha rotina matinal. E tu, tens alguma?

6. Dinamizar 6 workshops gratuitos

Ao longo dos últimos anos a minha empresa (Macro Consulting) tem sido parceira da Cidade das Profissões na dinamização de formações e workshops para dezenas de pessoas.

Apesar de não ter presente o número exato de pessoas que assistiram através deste canal, atrevo-me a dizer que serão mais de 750 pessoas. Mas isso não chega. Queremos chegar a mais pessoas e criar mais impacto! 🚀

Por isso, em 2021 iremos dinamizar pelo menos 6 workshops 100% GRATUITOS sobre temáticas relacionadas com a Gestão e Empreendedorismo.

Sendo isto para ti que estás aí desse lado, pergunto-te:

  • Que temas específicos gostarias de ver abordados nestes workshops?

7. Correr os 21km (e em menos de 2 horas)

Em 2019, uma das minhas resoluções foi “começar a correr”. Nesse mesmo ano, corri os 10km num tempo que superou as minhas expectativas (50’34) mas, nessa mesma corrida, sofri uma pequena lesão que me fez parar durante algum tempo.

Em 2020, defini que queria correr a meia maratona mas não alcancei esse objetivo.

Por isso, este ano não vou falhar. Em 2021, vou correr os 21km, seja numa prova oficial seja como desafio pessoal, e terá de ser abaixo das 2h00.

Quem me acompanha neste desafio?

Apoiar.pt | 1.500 milhões de euros na economia

Foi divulgado, na passada 5ª feira (05/11/2020) novos apoios para as empresas. Os novos apoios às empresas implicarão um financiamento global de 1.550 milhões de euros, dos quais 750 milhões em subsídios às pequenas e médias empresas mais afetadas pela crise.

No âmbito do programa Apoiar.pt está previsto um montante global de 750 milhões de euros em subsídios a fundo perdido destinado a micro e pequenas empresas dos setores mais afetados pela crise. Alguns dos setores visados parecem ser o comércio, cultura, alojamento e atividades turísticas e restauração, explicou o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, em conferência de imprensa.

Estão abrangidas pela medida as empresas com quebras de faturação superiores a 25% registadas nos primeiros nove meses de 2020 e que tenham a situação fiscal e contributiva regularizada.

Segundo o ministro, será ainda disponibilizada uma linha de crédito de 750 milhões de euros para a indústria exportadora em que haverá possibilidade de conversão de 20% do crédito concedido a fundo perdido, em caso de manutenção dos postos de trabalho. Haverá ainda uma linha de crédito de 50 milhões de euros para empresas de apoio a eventos, acrescentou Siza Vieira.

O ministro explicou que os encargos com as medidas são suportados por fundos europeus, sendo o crédito bancário atribuído pelo sistema financeiro com garantia do Estado e que uma parte deste crédito pode também ser convertido a fundo perdido.

Siza Vieira diz ainda que o Governo estima que cerca de 100 mil empresas “possam ser elegíveis” para os apoios do Apoiar.pt, empresas organizadas quer como sociedades comerciais quer como empresários em nome individual com contabilidade organizada.

As medidas serão lançadas “tão rápido quanto possível”, sendo o programa Apoiar.pt alvo de notificação à Comissão Europeia, mas a expectativa é de que “no início de dezembro” sejam abertos avisos e que o pagamento da primeira tranche seja possível “ainda este ano”, disse o ministro.

Tendo em conta as medidas de combate à Covid-19 tomadas no país (nomeadamente o dever cívico de recolhimento e o teletrabalho), o Governo prevê um “impacto muito significativo” nos setores que já na primavera foram afetados, o que justifica estes novos apoios. 

O ministro anunciou na conferência que foi aprovado em Conselho de Ministros um decreto-lei que permite que as empresas que tenham beneficiado dos incentivos extraordinários à retoma possam transitar para o regime do apoio à retoma progressiva sem ter que devolver o inventivo que já tenham recebido. 

“Entendemos que é necessário dar um sinal às empresas que podem contar sempre com esta possibilidade de apoio à manutenção do emprego sempre que perdurar a pandemia”, disse, referindo que vai ser discutido com os partidos qual vai ser a configuração “exacta” do apoio. 

“Achamos que devíamos apoiar a liquidez, num primeiro momento, continuar a apoiar a todo o custo a manutenção do emprego – que é um factor crítico para que as empresas possam no momento da retoma responder às solicitações dos clientes -, e entendemos que o este novo apoio a fundo perdido, nesta altura, antes do final do Natal, é muito importante para as empresas fazerem face a outras despesas que não os salários, num contexto em que eventualmente vão ter uma redução ou não vão ter o último trimestre que esperavam”, afirmou o ministro, lembrando que o último trimestre do ano é, em anos ditos normais, um trimestre “bom” para as empresas de restauração e comércio. Todavia, notou, “temos receio que, com estas medidas restritivas [de combate à pandemia], a procura se retraia ainda mais”.

“É um choque económico importante”, mas “não vai resolver tudo”

Resumindo, na sua globalidade, este apoio às empresas é uma “medida para dar um choque económico importante”. “Vamos introduzir nos próximos dois meses cerca de 1.500 milhões de euros na economia, adicionalmente”. No entanto, reconheceu Siza Vieira, “não vai resolver todos os problemas, infelizmente”. “E é isso que temos também que encarar com sinceridade”.

Fonte: Notícias ao Minuto

Linha Covid – APOIO À ECONOMIA – Micro e Pequenas Empresas

Objetivo

Apoiar a recuperação das Micro e Pequenas empresas afetados pelos efeitos da pandemia do COVID-19.

Beneficiários

Micro, Pequenas e Médias Empresas, com Certificação PME, (inclui Empresários em Nome Individual (ENI), com e sem contabilidade organizada, com Certificação PME)

  • Microempresas – 700.000.000€
  • Pequenas Empresas – 300.000.000€

Operações Elegíveis

Financiamento de necessidades de Tesouraria.

Operações Não Elegíveis

  • As que se destinem à reestruturação financeira e/ou impliquem a consolidação de crédito vivo;
  • As destinadas a liquidar ou substituir, de forma direta ou indireta, ainda que em condições diversas, financiamentos anteriormente acordados com o Banco;
  •  As destinadas à aquisição de terrenos e imóveis em estado de uso, bem como de imóveis de uso geral que não possuam já (antes da aquisição) características específicas adequadas às exigências técnicas do processo produtivo da empresa.

Condições de Elegibilidade do Beneficiário

  • Localização (sede social) em território nacional;
  • Atividade enquadrada nesta lista de CAE;
  • Sem incidentes não regularizados junto da Banca e do Sistema de Garantia Mútua, à data da emissão de contratação;
  • Ter, à data do financiamento, a situação regularizada junto da Administração Fiscal e da Segurança Social, para efeitos da alínea a) do n.º 1 do artigo 177.º-A do Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social;
  • Situação líquida positiva no último balanço aprovado, as empresas com situação líquida negativa no último balanço aprovado, poderão aceder à linha, caso apresentem esta situação regularizada em balanço intercalar, até à data da respetiva candidatura. Este requisito não se aplica a empresas cuja atividade se tenha iniciado há menos de 24 meses, contados desde a data da respetiva candidatura, nem ENI sem contabilidade organizada;
  • Não ser considerada empresa em dificuldades a 31 de dezembro de 2019, nos termos definidos no n.º 18 do artigo 2.º do Regulamento (CE) n.º 651/2014, de 17 de junho, resultando as dificuldades atuais do agravamento das condições económicas no seguimento da epedemia da Covid-19;
  • Não tenha qualquer operação de financiamento aprovada ou contratada na Sociedade de Garantia Mútua, no âmbito de uma linha ou sublinha de crédito com garantia mútua criada para apoio à normalização da atividade das empresas face ao surto pandémico da Covid-19. Caso tenha alguma operação apenas aprovada será necessário solicitar à SGM a prévia caducidade da mesma;
  • Apresente uma quebra de faturação de:
    • Quebra abrupta e acentuada, de pelo menos, 40% da faturação, relativa à média mensal de faturação no período de março a maio de 2020, com referência à média mensal de faturação dos dois meses anteriores a esse período, ou face à média mensal de faturação no período homólogo do ano anterior;
    • Atividade iniciada há menos de 12 meses com verificação de quebra abrupta e acentuada de, pelo menos, 40% da faturação, no período de 30 dias anterior ao da apresentação do pedido de financiamento, comparado com a média mensal de faturação desde a data em que iniciou a atividade.
  • Não ser considerada entidade enquadrável nos termos do artigo 19.º da Lei n.º 27-A/2020, de 24 julho:
    • Entidade com sede ou direção efetiva em países, territórios ou regiões com regime fiscal mais favorável, quando estes constem da lista aprovada pela Portaria n.º 150/2004, de 13 de fevereiro;
    • Sociedade que seja dominada, nos termos estabelecidos no artigo 486.º do Código das Sociedades Comerciais, por entidades, incluindo estruturas fiduciárias de qualquer natureza, com sede ou direção efetiva em países, territórios ou regiões com regime fiscal mais favorável, quando estes constem da lista aprovada pela Portaria n.º 150/2004, de 13 de fevereiro, ou cujo beneficiário efetivo tenha domicílio naqueles países, territórios ou regiões.
  • Apresentação de declaração, assumindo o compromisso de manutenção dos postos de trabalho permanentes até 31 de dezembro de 2020, face ao comprovado número desses postos a 1 de fevereiro de 2020 e não ter promovido nem vir a promover, nesse período, processos de despedimento coletivo ou despedimento por extinção do posto de trabalho, previstos nos artigos 359.º e 367.º do Código de Trabalho, independentemente de estar ou vir a estar sujeito ao regime de lay-off, previsto no Decreto-Lei n.º 10-G/2020, de 26 de março.

Crédito

Financiamento Máximo por Empresa

  • Microempresas – 50 000 €
  • Pequenas empresas – 250 000 €

Os montantes máximos de capital do empréstimo constantes acima, para os empréstimos com maturidade para além de 31 de dezembro de 2020, não poderão ainda exceder:

  • O dobro da massa anual da empresa (incluindo encargos sociais, os custos com o pessoal que trabalha nas instalações da empresa, mas que, formalmente, consta da folha de pagamentos de subcontratantes) em 2019 ou no último ano disponível. Para empresas criadas em ou após 1 de janeiro de 2019, o montante máximo do empréstimo não pode exceder a massa salarial anual dos dois primeiros anos de exploração; ou
  • 25 % do volume de negócios total em 2019; ou
  • Em casos devidamente justificados e com base num plano que estabeleça as necessidades de liquidez do beneficiário, o montante do empréstimo pode ser aumentado para cobrir as necessidades de liquidez a partir do momento em que é concedido para os próximos 18 meses.

Condições Específicas das Operações:

  • A Comissãodegestão/acompanhamento anual pelo Banco, é de até 0,25%, sobre o montante do financiamento em dívida;
  • As SGM não cobrarão qualquer valor pela emissão da garantia, com exceção da respetiva comissão de garantia;
  • As operações estão isentas de outras comissões e taxas habitualmente praticadas pelo Banco e pelo Sistema de Garantia Mútua;
  • Nos financiamentos contratados na modalidade de taxa de juro fixa, o Banco poderá fazer repercutir no cliente os custos em que incorram com a reversão da taxa fixa, quando ocorra liquidação antecipada total ou parcial, ou quando o cliente solicite a alteração da taxa fixa para taxa variável.
  • Reembolso de Capital: Prestações iguais, sucessivas e postecipadas com periodicidade mensal.
  • Prazo Máximo da Operação: Até 6 anos.
  • Carência de Capital Máxima: Até 18 meses.
  • Taxa de Juro Modalidade Fixa: Swap Euribor para prazo da operação + spread.
  • Taxa de Juro Modalidade Variável: Euribor a 1, 3, 6 ou 12 meses + spread.
  • Spread: 1% -1,5% (até 1 ano – até 1%, de 1 a 3 anos – até 1,25% e de 3 a 6 anos até 1,5%).
  • Bonificação da Taxa de Juro: 0%.

Garantia Mútua

Garantia Mútua
  • Até 90%.
Comissão de Garantia Mútua
Prazo da Operação 1 Ano 1 a 3 Anos 3 a 6 Anos
Micro e Pequenas Empresas  0,25%     0,50%       1%

Links úteis

Declaração de Regularização Tributária e Contributiva

Declaração de Empresa em não Dificuldade

Declaração de Quebra de Faturação

Declaração de não Ligação a Offshore

Declaração Partilha e Transmissão de Informação (DPI)

Como inovar em tempos de crise?

A inovação é fundamental para o crescimento de empresas, quer em crise quer no estado “normal”.

Neste momento, estamos a passar por uma fase difícil para empresas e empresários. Por isso, é fundamental mantermos a inovação e alavancarmos a mesma.

Abaixo podes ouvir o podcast Power Up onde abordo este tema.

7 hábitos de pessoas altamente eficazes

Já alguma vez tiveste dificuldade em atingir objetivos?

Já alguma vez sentiste que estavas a ser pouco eficaz na realização de tarefas?

Já alguma vez quiseste fazer mais em menos tempo?

Se tal como eu, respondeste que sim a alguma destas questões, então este vídeo é para ti.

Aproveita e lê o livro do Stephen Covey: 7 Hábitos de Pessoas Altamente Eficazes.


O Diário de um Empreendedor é um blog de Empreendedorismo que te irá ajudar ao longo da tua caminhada empreendedora. Aqui poderás ler artigos sobre empreendedorismo, ver e ouvir vídeos e podcasts sobre Empreendedorismo, e muito outro conteúdo sobre Gestão, Liderança, Inovação e Motivação.

Através deste blog de Empreendedorismo, poderás desenvolver novas competências, fazer crescer a tua ideia, tirar as tuas dúvidas e obteres dicas para te tornares um/a empreendedor/a de sucesso. Conta connosco. Conta com o Diário de um Empreendedor.

As 5 leis fundamentais do Empreendedorismo

Olá e sê bem-vindo ao podcast de empreendedorismo, gestão, liderança e inovação: PowerUp.

Neste podcast de empreendedorismo apresento-te as 5 leis fundamentais do Empreendedorismo (que poucos conhecem e quase ninguém aplica).

Na prática, estas 5 leis fundamentais do Empreendedorismo são importantes dicas para conseguires mais facilmente atingires os teus objetivos ao aplicares todas sem exceção.

Já conhecias? Quais destas aplicas?

Ouve o podcast e faz-me chegar os teus comentários.

As 5 Leis Fundamentais do Empreendedorismo | Power Up (Podcast) | Ep. 02

Vê e ouve tudo em:

O Diário de um Empreendedor é um blog de Empreendedorismo que te irá ajudar ao longo da tua caminhada empreendedora. Aqui poderás ler artigos sobre empreendedorismo, ver e ouvir vídeos e podcasts sobre Empreendedorismo, e muito outro conteúdo sobre Gestão, Liderança, Inovação e Motivação.

Através deste blog de Empreendedorismo, poderás desenvolver novas competências, fazer crescer a tua ideia, tirar as tuas dúvidas e obteres dicas para te tornares um/a empreendedor/a de sucesso. Conta connosco. Conta com o Diário de um Empreendedor.

Gestão Preventiva: Porque é fundamental?

A palavra prevenção tem “pouco” significado em tempos de crise. E tem pouco significado porque, no meio da crise, prevenir já não é necessário!

Prevenir é fundamental para evitar o impacto mais negativo das nossas decisões ou de variáveis externas que poderão afectar os nossos negócios, empresas ou vida pessoal. Infelizmente, o histórico diz-nos que só ouvimos falar de prevenção pelos piores motivos, e, inevitavelmente, somente quando os problemas começam a acontecer.

Porque devemos prevenir.

Já diz o ditado:

Mais vale prevenir do que remediar.

99,9% dos Baby Boomers e Geração X devem identificar-se com esta afirmação!

Quem nunca ouviu este ditado seja pelos nossos avós, nossos pais ou mesmo nós mesmos?

via GIPHY

Acredito que ninguém nunca tenha ouvido isto, nem que seja uma só vez!

E apesar de ouvirmos a verdade é que a grande maioria não se rege pela aquela que deveria ser a principal religião (ou uma das principais) dos negócios e empreendedorismo: Prevenção.

A palavra prevenção devia constar diariamente na nossa vida, a nível pessoal, profissional, relações, em tudo.

Não devemos considerar que a prevenção é algo que devemos ter em conta apenas nos momentos de crise já que, quando os problemas acontecem, a prevenção não serve de muito.

E, por isso, quero falar-te de Gestão Preventiva.

Gestão Preventiva

“O que é isso de Gestão Preventiva” ou “Isso existe por acaso?” são duas perguntas que te podes fazer. Na verdade a Gestão nunca deveria ter de ser apelidada de Gestão Preventiva já que, do ponto de vista de uma boa Gestão, a prevenção está mais do que incorporada na palavra Gestão!

via GIPHY

via GIPHY

Ou seja, na prática, o fundamental quando pensas em gestão preventiva passa por antecipares potenciais problemas que possam surgir na tua empresa ou negócio e, para isso, tens de planear. Quando planeias, vais ter um plano A, um plano B, um plano C, por aí fora, fazendo com que tenhas alternativas.

Definires objetivos, criares e preveres cenários distintos, otimizares a estratégia, analisares as variáveis de mercado, etc, são algumas das coisas que podes fazer para reduzir o teu risco e estares alerta.

Tudo isto é possível de ser feito através de um Plano de Negócios, se quiseres utilizar a estrutura formal do mesmo, ou através de algo similar ao Plano de Negócios.

É importante perceberes que prevenção não é necessariamente “medo de agir”.

Muita gente acaba por congelar com o receio de tomar ações, prevenindo dessa forma um potencial erro. Mas erros são das melhores coisas do mundo!

É através dos erros que aprendemos e melhoramos. Idealmente, devemos é conseguir aprender com os erros dos outros já que, dessa forma, poupamos bastantes recursos (mentais, financeiros, físicos…).

Planeares e teres uma estratégia e gestão bem definida, vai-te ajudar a estar preparado quando os piores momentos chegarem.

E qual a altura ideal para começares a praticar prevenção?

Qualquer dia, qualquer hora, qualquer minuto…

Começa agora…

O Diário de um Empreendedor é um blog de Empreendedorismo que te irá ajudar ao longo da tua caminhada empreendedora. Aqui poderás ler artigos sobre empreendedorismo, ver e ouvir vídeos e podcasts sobre Empreendedorismo, e muito outro conteúdo sobre Gestão, Liderança, Inovação e Motivação.

Através deste blog de Empreendedorismo, poderás desenvolver novas competências, fazer crescer a tua ideia, tirar as tuas dúvidas e obteres dicas para te tornares um/a empreendedor/a de sucesso. Conta connosco. Conta com o Diário de um Empreendedor.

Até 5.000 euros (80% a fundo perdido) para PME

Neste sábado, o Governo anunciou um pacote de medidas de apoio (80% a fundo perdido) para ajudar as micro e pequenas empresas a fazer os investimentos necessários para ajudar ao regresso à atividade em segurança.

De acordo com o ministro do Planeamento, Nelson Souza, o Governo vai lançar “um sistema para as micro e pequenas empresas dos vários setores, mas particularmente vocacionado para o comércio tradicional, da restauração, e dos serviços pessoais”. Em concreto, este “sistema” terá “apoios com 80% em subsídio não reembolsável – ou seja, a fundo perdido –, com despesas elegíveis que podem retroagir até à data da declaração do primeiro estado de emergência (18 de março) e tem um mínimo de 500 euros e um máximo de 5.000 euros por empresa.

As despesas elegíveis cobrem uma diversidade muito grande de despesas de investimento”, diz o ministro, notando que existe “disponibilidade, ainda durante a semana que vem, de ouvir quem nos queira ajudar a especificar melhor estas despesas elegíveis, de forma a melhor ajustar às necessidades das empresas, mas fala-se de equipamentos de proteção individual, equipamentos de higienização, contratos de desinfestação mas, também, atividades de natureza positiva como a criação de serviços de entregas ao domicílio ou de facilitação de teletrabalho”.

Nelson Souza

Os apoios, agora anunciados, são para microempresas e abrangem despesas tão distintas como a compra de equipamentos de proteção, a higienização dos locais ou até os gastos com a criação de serviços de entregas ao domicílio ou a facilitação do teletrabalho.

Na prática, segundo pudemos apurar, as candidaturas abrirão a 11 de maio de 2020.

Se quiseres receber informação mal abra, envia-me um email para te fazer chegar essa informação.

O Diário de um Empreendedor é um blog de Empreendedorismo que te irá ajudar ao longo da tua caminhada empreendedora. Aqui poderás ler artigos sobre empreendedorismo, ver e ouvir vídeos e podcasts sobre Empreendedorismo, e muito outro conteúdo sobre Gestão, Liderança, Inovação e Motivação.

Através deste blog de Empreendedorismo, poderás desenvolver novas competências, fazer crescer a tua ideia, tirar as tuas dúvidas e obteres dicas para te tornares um/a empreendedor/a de sucesso. Conta connosco. Conta com o Diário de um Empreendedor.